A terra prometida

Canaã foi a terra que me prometeram após sair de Peba (nome íntimo de Parauapebas, assim como o Rio é de Rio de Janeiro). Porém, esta, um pouquinho diferente da Canaã bíblica, não oferecia uvas, azeitonas e mel por mais que fosse razoável o café do hotel. Pra falar francamente, escrevendo em letras miúdas para que ninguém me leia, Canaã dos Carajás é tão quente que está mais pra inferno. O ar tem uma densidade de lama com a constante poeira que desprega das ruas não asfaltadas. A cidade é pequena ao ponto de todos serem vizinhos e o entretenimento é ir pra avenida principal tomar açaí com farinha de tapioca e ouvir música em alto volume. Não existe linha de ônibus, muito menos trem, menos ainda metrô. Pela cidade se locomove de moto, bicicleta ou 10 Real no taxi, mas isso não é muito perturbador, pois não se tem pra onde ir. Não há muito o que se dizer e fazer, vale à pena ficar trancado, curtindo o ar condicionado do hotel: Canaã é uma jovem cidade, nascida quase junto comigo, ou seja, eu poderia ter sido seu fundador e ter entrado pra sua história, ainda bem que não fui e que ela é que entrou pra minha.

Antunes
Rio de Janeiro, 15 de outubro de 2009

As ruas de barro responsáveis pelo ar de poeira

As ruas de barro responsáveis pelo ar de poeira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s