Respaldado à Estação

Nôla,

E se entrelaçássemos as mãos? São tantos os casais respaldados às muretas que dão para a Praça da Estação. Já não há Sol, nem Lua, só nuvens disformes.  Não posso comentar que o dia está lindo, nem que a Lua brilha, tampouco sobre os desenhos que as nuvens deveriam fazer, mas não fazem, estão incomunicáveis. Só há silêncio nesse segundo. Eu despedaçaria aquele relógio elevado aos céus para ascender a ti. Aí, sim, o mundo seria mais belo, contigo no centro de tudo. As pessoas não correriam ao ver o tempo passar, andariam devagar pra ver a ti. Observo uma paisagem de prédios, daqui há mais arte de homens que de Deus. Aperta firme a minha mão, Nôla, pois o trem está passando e não quero que te leve. Confesso-te: a única certeza que tenho é que choverá, inclusive, engano-me no tempo do verbo: chove. Já sinto as gotas. Temos que ir, Nôla. Temos que deixar de olhar o horizonte. Vamos. Vou-me. Mas, afinal, por que estou a falar contigo se estás tão longe?

Antunes
Rio de Janeiro, 16 de novembro de 2009

Vista da Praça da Estação em fim de tarde nublado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s