Ourilândia, a Terra do Nunca

Logo que soube que iria a Ourilândia, joguei o nome da cidade no Google. A primeira coisa que me apareceu foi o site da Desciclopédia com o bizarro verbete que dizia o seguinte:

Sem dinheiro para ter uma terrinha em Tucumã todos esses garimpeiros invadiram uma fazenda e fizeram um povoado, construíram seus barracos de lona e pau-a-pique e viveram em condições sub-humanas de saneamento e urbanismo e assim Ourilândia do Norte foi fundada. Sabe-se-lá como foram elevados à condição de município.”

“A grande expressão da economia municipal são os pequenos coronéis criadores de gado, que aproveitam pouco menos de 2% de suas terras para tal ou as arrendaram para a mineração, desviando para si a maioria dos Royalties que a cidade consegue com a mina

A cidade possui uma infra-estrutura de comércio e serviços limitada, em seus supermercados quase sempre faltam mercadorias e as poucas que existem estão vencidas e foram adquiridas nos lixões de Marabá. No setor de vestuário, suas lojas apresentam algumas peças de roupas fora de moda e empoeiradas, tornando a cidade dependente de caixeiros viajantes para conseguir alguma coisa mais atual, como Jeans e camisetas.”

Obviamente, achei muito estranho, porque todas as outras cidades, por mais precárias que fossem,  o Google sempre mostrava algumas informações positivas também. Resolvi escrever para um aluno de Parauapebas, pedindo informações sobre o Eldorado paraense. Eis a resposta:

Ourilândia é um lugar muito feio e perigoso, aconselho quando chegar na cidade fazer somente o deslocamento do hotel para Vale e vice-versa. ” (Cabe ressaltar que o aluno que deu este depoimento está longe de morar no paraíso)

A partir daí foi que vi que a brincadeira era coisa séria. Porém, idiota como todo otimista, continuei insistindo mentalmente que a viagem seria boa. Assim que cheguei a Marabá, às 3 da tarde, perguntei para o meu motorista e guia da floresta, seu Luiz Gonzaga, a que horas estaríamos em Ourilândia. Ele me respondeu: 22h. Eu levei na brincadeira e ri. Demorei, vítima de meu otimismo, sete horas para compreender que ele não tinha brincado. O caminho até a cidade é lunar: só possui buracos e, garanto, a poeira que comi não tinha o menor sabor de queijo. Fui deixado às portas de um bizarro hotel e comi em uma espelunca de aparência também bizarra. Com o transcorrer dos dias, descobri a importância do lugar: OURILÂNDIA É A TERRA DO NUNCA!

Em Ourilândia o celular NUNCA pega

Em Ourilândia o hotel NUNCA é bom

Em Ourilândia a lama NUNCA acaba

Em Ourilândia as ruas NUNCA são iluminadas

Em Ourilândia NUNCA se anda pela calçada

Em Ourilândia os buracos NUNCA são fechados

Em Ourilândia NUNCA há atendimento médico

Em Ourilândia NUNCA há opções de comida

Em Ourilândia NUNCA a imagem da TV é boa

Em Ourilândia NUNCA a conexão da internet é estável

Em Ourilândia NUNCA há entretenimento

Em Ourilândia NUNCA se está seguro

E Ourilândia é a cidade a qual não voltarei, NUNCAAAAAAA!!!!

Antunes

Terra do Nunca, 24 de março de 2010

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s