A Colônia

Ouço gritos no silêncio da Colônia Juliano Moreira, gritos que estão apenas no âmbito da imaginação, gritos que são ouvidos pelos olhos ao me deparar com a arquitetura pretérita que fala mais do que o tempo em que estou. Há loucos por ali, eu entre eles, entre eles: eu. A floresta da Pedra Branca avança sobre as construções, a paisagem é de assustadora paz. Pelas ruas daquela cidade quase cenográfica marcham crianças, idosos, cães e loucos com a mesma importância, com o mesmo olhar. Há uma igrejinha pelo caminho, há um aqueduto, paisagem que testa nossa sanidade, paisagem que testa nossa fé em crer que no meio da mata de Jacarepaguá está uma cidade perdida com casarões e favelas. Jacarepaguá seria o cu do mundo, coberto por mata, a esconder o feio: a ela estavam destinados os leprosos do Curupaiti, os pobres da Cidade de Deus, os loucos da Colônia. Quantos mais viriam? Viríamos eu e você, para ser cortês, vá à frente: você e eu. Foi então que veio a virada, veio uma tal Barra da Tijuca e passaram a dizer do enobrecimento de Jacarepaguá, surgia a Nova Elite. Mal sabem, são apenas mais uma escória, como o são todos os humanos igualmente leprosos, pobres e loucos, todos, igualmente você e eu, habitantes da Colônia.

Antunes
Rio de Janeiro, 5 de abril de 2010

A entrada da Colônia Juliano Moreira

Caminhos irracionais

A igreja da Colônia

As casas da Colônia

O cão

O cavalo

A paisagem

Os internos

O forasteiro louco

Aqueduto

Sem razão

E a floresta avança sobre tudo...

2 Respostas para “A Colônia

  1. Nasci na Colonia, meu era funcionário aí dentro. Vivi aí até os 14 anos de idade, depois mudei prá Brasília, hoje faço parte de uma missão especial em Bruxelas, devo passar aqui uns 4 anos. Tenho muito saudade desse lugar, uma pena que parte da história da psiquiatria brasileira se perdeu completamente. Governantes ignorantes e o povo pior ainda porque vota nesses imbecis.

  2. Fico chateado de estar comentando somente agora, depois de mais de 2 anos da publicação desse post. Mas antes tarde do que nunca.
    Eu já morei na Colônia Juliana Moreira quando criança. Continuo visitando lá todo o ano, pois minha irmã mora lá com seu marido e minha sobrinha. Quando entro naquele ambiente de paz, natureza, me sinto muito bem. E aquele ar histórico me fascina.
    Eu espero que esse lugar continue “protegido” dos maus. E que o governo cuide de lá, mas com o devido respeito. Pois do jeito que eles são, só falta quererem construir alguma coisa lá.
    Um abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s