A Praça como centro da vida

Historicamente a praça possui um sentido muito importante: local de confronto filosófico, pregação religiosa, crítica política, lazer… nas cidades grandes, as praças cada vez mais perdem espaço. Quem do Rio de Janeiro passa o melhor de seus fins de semana em uma praça? Quem de São Paulo vai à praça buscar namoradas e lazer? Viajando pelo Brasil, comecei a ver que a decadência da praça não é tão iminente assim. Em várias cidades, principalmente nas pequenas (mas não só), a praça, e não a página do orkut, é ainda o principal ponto de encontro da cidade. Porém, comprovei a importância da praça ao viajar pela América do Sul. É impossível Buenos Aires sem a Praça de Maio. E o que dizer da Bolívia? Suas três principais cidades: Santa Cruz, Sucre e La Paz, possuem praças que usufruem de centralidade política e cultural. Foi em uma praça, na principal (talvez única) praça de Sucre, que passei praticamente todo o meu único dia na Cidade, sentado ao lado de minha esposa, observando o movimento sucreño. Ali as mulheres vão arrumadas, os pais levam os filhos pra brincar, as moças levam seus pets, os moleques sentam a olhar pro nada, os pombos ciscam e namoram e as vendedoras passam, crianças e adultas, as únicas a trabalhar enquanto todo mundo descansa.

Antunes
Rio de Janeiro, 3 de julho de 2010

na Praça de Sucre

A Praça 25 de Maio em Sucre

El chico y su perro

As crianças e os pombos

As crianças brincam no monumento da praça

Nôla posando na praça de Sucre

Passamos a tarde inteira sentados em uma praça em Sucre

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s