Procissão

À procissão vão velhas senhoras, tão velhas quanto Paraty. São de velha moral e de velhos costumes. É velho, também, o Cristo magro e empoeirado que pende na cruz. Tudo tão velho quanto cada pedra do chão. Enquanto rezam e murmuram, enquanto clamam a cura de suas artroses, os jovens estão nos bares ou se devoram em qualquer lugar, menos ali. Não é de agora, é hábito velho, que a vida segue assim. Em cada noite uma procissão, com velas velhas acesas que não se apagam. E não é que há alguma beleza na procissão. E não é que há algum prazer em vê-la, em assisti-la ao longe, em fotografá-la. Será que há algum erotismo na ruga?

Antunes
Rio de Janeiro, 1 de setembro de 2010

A procissão

A Igreja do Rosário, em Paraty, destino da procissão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s