Arquivo da categoria: Belém do Pará

Belém, um pomar

Quando voltei para o Rio de Janeiro da viagem de São José do Rio Preto levou-me pra casa um taxista que defendeu uma curiosa tese: Sabe toda essa área aqui da Glória, do Flamengo?…  essa região aqui do aterro… pois então, toda ela deveria ser um pomar, imagine que bonito, as famílias passeando num lugar arborizado, pegando frutas, comendo, ia ser outra coisa isso aqui. Dias depois, fui a Belém e me lembrei do taxista: toda a cidade está repleta de mangueiras. Andando por ali, encontramos mangas mais que amadurecidas caídas pela calçada que servem de diversão para os mosquitos. Os mendigos, vários em Belém, também são apreciadores das mangueiras. É a solução econômico-social pra fome!, dizem alguns. Outros acham que as mangueiras são quase humanas: elas têm vida também, como nós, e são centenárias… Há, ainda, aqueles que evocam as mangas como patrimônio histórico: sabe há quanto tempo essas mangueiras estão aí? Não? Nem eu! São antigas demais, rapaz, são parte da nossa história. Como dizem, nem Cristo é unânime, então não podem ser as mangueiras: algumas pessoas simplesmente querem arrancá-las desde a raiz, odeiam mangas, tornaram-se alérgicas, deixaram de consumi-las, não podem sequer vê-las, tampouco respira-las. Por quê? Os motivos são muitos: ingênuas mangas levaram a senhora da Nazaré, nº52 , para o hospital após terem caído sobre a sua cabeça; o Pinscher de Fátima, que com Deus esteja, teve seu caminho interrompido por uma manga; e quantos carros já não foram sujos, amassados, quebrados por causa das mangas? Parecerá mentira e não acreditará, mas, ainda assim, ousarei falar: há, em Belém, um seguro feito pra proteger os carros contra as mangadas. Ou seja, feito o seguro você poderá estacionar, sem medo, à sombra duma frondosa árvore. Concluo, então, embasado na experiência do taxista: quando sonhamos com algo, em algum lugar torna-se real. Só não sei se ele gostaria de estacionar seu taxi sob alguma mangueira de Belém. Talvez seja melhor que os sonhos sejam sonhos e que a realidade seja realidade.

Antunes – Carajás, 23 de setembro de 2009.

Ver o peso

Como fosse um cenário de Moby Dick, Popeye ou dos Velhos Marinheiros de Jorge Amado. Navego entre os marujos, pelos rios de caldo de peixe que escorrem das bancadas. Vejo pousar sobre um barco o urubu que seguira, atrás está o mercado Ver o peso. Homens, urubus, barcos, peixes sem diferenciar-se, são um. Ali, todos são um pouco homens, urubus, barcos e peixes: todos conhecem a dor, a carniça, os rios navegáveis, o anzol… são barcos humanos, peixes urubus. Convidado pelo mistério, entro. Vejo multidões de peixeiros que estripam peixes imensos, exibem-nos para os compradores. O cheiro podre não afasta a fome: atiça-a. Mareado, como um inexperiente no mar, estômago embrulhado, saio do convés para perder-me entre as curvas, traços e cores marajoaras: são os artesanatos: suas formas arredondadas misturam o técnico com o divino, são jarros abençoados a marrons, assinalados com verde, enfeitados ao vermelho. Há calor e o rio deixa o ambiente mais úmido, parece que se sua dobrado. Peço um suco qualquer, um que a senhora ache que represente o Pará, não serve de cupuaçu, algo que não seja tão conhecido. O bacuri. Olho a foto do fruto: lembra um rústico abacate. Seu suco parece uma massa de pão refrescante, é bom, mas é desconfortável nos primeiros instantes. Gelado, mata o calor. Denso, mata a fome. Acaba o bacuri, recomeço a caminhada como se fosse, agora, um Simbad. Passo por gaiolas de animais: coelhos, frangos, patos. Encontro figuras que carregam o peso de típica: as descascadoras de castanha. Sentam-se em pobres bancos, facas às mãos e a cada segundo se movimentam fatais como os relógios. Passam o dia a descascar a castanha do Pará. Quem queira, descascam na hora. Não cobram barato como no mercado de Sergipe, já sabem de sua fama, já sabem que venderão, já sabem que compraremos. Compro: 5 Reais, meio litro de castanha. Os rios me chamam, agora os de suor, há o encontro das águas com mares de óleo e gordura que escorrem nas pias dos restaurantes. Vou até o taxi, pego-o, já não sou mais um marinheiro, há quem me conduza, sou só um passageiro, um mero turista.

Antunes – Carajás, 22 de setembro de 2009.

Urubus sobrevoam Belém na região do Ver o peso.

Urubus sobrevoam Belém na região do Ver o peso.

Urubu passeia como gente.

Urubu passeia como gente.

Barcos na frente do Ver o peso, urubu aterrissando.

Barcos na frente do Ver o peso, urubu aterrissando.

Peixeiro: estripador de peixes.

Peixeiro: estripador de peixes.

As descascadoras de castanhas.

As descascadoras de castanhas.

Batatinha: o rei da mistura.

Batatinha: o rei da mistura.

Madrugadoras avenidas de Belém

Mal dormi em Belém. Mais importante era conhecer aquela cidade em que passaria menos de um dia. Levantei-me às 4:30 da manhã. Sorte: logo ao descer consegui um mapa da cidade na recepção do estranho hotel. Era ainda madrugada e eu já caminhava pelas ruas. Saí junto com o sol para acordarmos as avenidas. Segui pela Nazaré, fazendo o caminho inverso do Círio. Cheguei ao Teatro da Paz, ainda havia penumbras. Desci pelas ruas, refazendo o caminho e fui ter na Praça Batista Campos, imenso viveiro. Suas aves cantam estridentemente, são não mais cantoras, são aves gritantes, ouve-se um som similar quando se adentra o zoológico da Quinta da Boa Vista. Continuo meu percurso, driblo os mendigos, os papelões, as sujeiras. Belém tem todos os males de uma cidade grande e talvez não tenha os benefícios de uma. Chego à Basílica de Nazaré, requinte do destino: tocam os sinos, são sete horas. Começa a missa, assisto seu início, tiro fotos. Volto às ruas, aos paralelepípedos, às poças de urina, ao sol. Passo pelo shopping Iguatemi  e caminho até a Igreja da Sé. Abençoado, toca novamente o sino, são 8h: as casas são brancas, a igreja é branca, há flores que não são brancas. É um bonito lugar, dali sai o Círio de Nazaré a caminhar até a Basílica de Nazaré. Contam-me histórias: em dia de procissão às duas horas da manhã já há gente na rua a segurar a corda que se estende até a Santa, ocorrem desmaios, desentendimentos, choros… sigo, sem chorar. Vejo que o céu está tomado por urubus, faço uma pausa no forte e, novamente , sigo. Sigo os urubus, até que um deles pousa sobre um barco. Chegara ao Ver o Peso.

Antunes – Parauapebas, 21 de setembro de 2009.

O mapa.

O mapa.

O Teatro da Paz, ainda de madrugada

O Teatro da Paz, ainda de madrugada

Praça Batista Campos

Praça Batista Campos, morada de pássaros.

Basílica de Nazaré, onde chega o Círio.

Basílica de Nazaré, onde chega o Círio.

Igreja da Sé, de onde sai o Círio.

Igreja da Sé, de onde sai o Círio.

Quarto de Sade ou quarto de Alice?

Cheguei ao hotel de Belém já daria meia noite e não começo, assim, uma história de terror, embora pudesse ser. Senhor, informamos que os quartos executivos estão todos ocupados, vamos transferi-lo para um quarto de melhor qualidade. Pensei cá comigo: dei-me bem, porém até agora me pergunto: onde fui parar, num quarto de Sade ou num quarto de Alice?

O número era 503 que, como é de se imaginar, tinha, ao lado, o 502. Abri a porta e deparei-me com duas camas de casal. Mas, porque motivos tão nobres me recepcionariam assim? Afinal, sou um e magro, uma cama de solteiro, quando não um sofá, já me bastaria. Pensei que o quarto deveria, em outras ocasiões, ser palco de noites bacantes, com orgias dionisíacas regadas a muito vinho, quando não champanhe . Pensei melhor, talvez fossem, ali, necessárias para atender clientes com grande índice de obesidade que juntariam as camas para se abrigar e enfrentar a lei da gravidade sobre oito pés.  Percebi que no quarto estavam quatorze travesseiros e imaginei casais desnudos guerreando-se com aqueles objetos de pena, a ver quem ganharia na batalha algum amor. Porém, repensei e reimaginei, que talvez os travesseiros fossem para fazer companhia àqueles que chegam solitários, como eu, talvez apenas cumprissem a missão de ocupar o tanto de cama que não poderia simplesmente ficar vazio. À frente d’uma das camas, entretanto, novo mistério e o maior deles: a porta verde. No meio do quarto, como poesia, sem objetivo algum encontrei uma porta. Mas, logo vi que não era tão poética e que deveria ter suas finalidades. Abri-a e encontrei outra porta. Uma porta que quando se abre dá pra outra. Então tive a certeza que era para integrar o quarto com o 502 e, assim, não só compor um quarto de Calígula, mas toda a Roma, toda a Grécia juntas a unir infinitos casais em festas que não acreditamos que realmente existam. Porém, logo desfiz minhas certezas, imaginei que eram portas como as de Alice que sempre levavam a um novo caminho, a uma nova porta e que tudo aquilo, quem sabe, fosse uma grande metáfora da vida que o arquiteto que projetou o hotel quis esculpir.  Fui até o banheiro para lavar o rosto e despertar de tantas ambigüidades e deparei-me com um chuveiro que caía dentro de uma banheira. Seria um plano devasso para obrigar que todos se banhassem naquelas águas de Afrodite, mesmo os avessos à banheira, ou seria apenas um despropósito infantil para que todos levassem seus patinhos para o chuveiro e passassem ali, dias e noites, a brincar no sem sentido das horas?

Não me restou tempo para descobrir se estive em um quarto de Sade ou em um quarto de Alice, passei ali apenas uma breve noite em que dormi apenas quatro horas. Quiçá eu tenha estado nos dois, se é que só há essas duas possibilidades.

Antunes – 20 de outubro de 2009 – Parauapebas

As duas camas de casal

As duas camas de casal

Uma porta dentro da porta

Uma porta dentro da porta

Só é possível tomar banho de banheira.

Só é possível tomar banho de banheira.

Yesterday

Ontem: é um possível começo. Neste texto, acabei de chegar a Belém, sendo assim, ontem estava em Aracaju. Num ontem de algum outro ontem, recebi a notícia que iria a Sergipe em substituição à minha gerente. Liga-me Cynara, sergipana responsável pelo treinamento, pedindo para falar com a Luciana. Pois não está, lhe informei. Anote, então, meu e-mail. E eu anotei: Sinara. Quando fui confirmar, me disse: Não! É com cê de casa e ipsulone de yesterday. Corrigi. Pouco tempo depois, fui para Aracaju, onde conheci Cynara e o trabalho educacional realizado pela Vale.

Parece que foi tudo bem. Quando o treinamento tornou-se ontem, minha gerente recebeu o e-mail abaixo:

Boa tarde Luciana!

Estou enviando este e-mail para parabenizar o Vínícius Antunes pela brilhante atuação no curso de multiplicadores em Diálogo Comportamental, feito aqui, na Vale/GEFEW no dia 16/09.

Escrevo em nome de todos os participantes que ficaram muito satisfeitos com a forma com que o Vinícius conduziu o curso. Trata-se de um excelente profissional, que possui muito carisma, conhecimento e um grande potencial para lidar com pessoas, por isso ficamos muito felizes em tê-lo como instrutor.

Parabéns ao Senac por ter profissionais de alta qualidade e parabéns a você Vinícius!! Volte sempre!!

Um grande abraço,

Cynara.

Exagerados sergipanos, mal sabem que ontem aprendi muito mais com Sergipe do que Sergipe aprendeu comigo.

Antunes – 20 de outubro de 2009 – Parauapebas.

MBA em aeroportuária

Professora: TAM

Carga horária: 7 horas

Local: Aracaju, Recife, Fortaleza, São Luís e Belém.

Objetivo: Estudar os aeroportos da região Nordeste e Norte.

Valor: Bolsa adquirida através do SENAC-RJ.

Ementa do curso:

O discente adquirirá habilidades em embarque e desembarque de aviões, enfrentamento de turbulências, memorização dos avisos de segurança, domínio de procedimentos de queda em terra, queda em água e incêndio, utilização de bagageiro e especialização em paisagens aéreas diurnas e noturnas.

Relatório de conclusão do curso do sr. Antunes:

Dedicatória

Dedico este trabalho ao meu pai que pagou meus estudos, à minha mãe que lava minha roupa, à minha irmã porque também é parente próximo e à minha noiva que me atura todo dia e ainda lê meu blog e diz que é bom.

Epígrafe

É um pássaro? É um avião? Não, é o Superman
(Revistinha do Superman)

Além dos olhos, teve-se como orientador deste trabalho o Airbus A320 da TAM que realizou o vôo número 3892 cuja rota foi Aracaju-Manaus, porém, para esta investigação, far-se-á necessário tão-somente acompanhá-lo até Belém, podendo ser a rota completa um possível tema para um futuro doutoramento.

O aeroporto de Aracaju apresenta para seus passageiros uma bela vista na chegada e não tão bela na saída, o que, embasadamente, pode-se verificar que não o diminui. Cito: “a primeira impressão é a que fica.” (POPULAR, Dito).

Recife possui um aeroporto rodeado por pequenas casas e excelente segurança. Pôde-se constatar a atuação dos oficiais de segurança no combate a um terrorista português. Lê-se abaixo o testemunho colhido a partir do comandante da aeronave:

Senhoras e senhores, informamos que permaneceremos mais alguns minutos parados porque um passageiro deixou sua mala no avião e não embarcou. Segundo as normas de segurança dos aeroportos brasileiros, qualquer bagagem só pode ser transportada se acompanhada de seu dono. Desculpe-nos o transtorno e obrigado.

Em Fortaleza constatou-se que, como em outras regiões, o céu, à noite, escurece, o que dificulta comentários paisagísticos daqui por diante. Passa-se, então, a disponibilizar dados que comprovam a corrente teórica que defende que os avião realmente voam e rápido. Segundo o comandante que estava a bordo, ao iniciar o processo de aterrissagem, o avião estava  a 7.898 metros e a uma velocidade de 743 km.

Como já mencionado anteriormente, devido a dificuldades fisiológicas, pois diferente dos gatos não fui projetado para ver no escuro, passa-se a listar alguns pontos descobertos através desta investigação tanto empírica quanto teórica:

1 – A descarga do vaso sanitário de um avião faz mais barulho que suas turbinas.

2 – É possível aprender inglês no avião associando as mensagens dadas em português e repetidas em língua britânica.

3 – Todas as aeromoças são bonitas, inclusive as feias.

Conclui-se e constata-se, assim,  graças ao empirismo e ao olhar exclusivamente científico e imparcial, após 7 horas de atuação em campo, ou melhor, em ar, que voar é um tanto enfadonho quando não se é um pássaro.

Antunes – Parauapebas – 19 de setembro de 2009

Aeroporto de Recife - ainda de dia.

Aeroporto de Recife - ainda de dia.

Aeroporto de Fortaleza - de noite

Aeroporto de Fortaleza - de noite

Mascarados estilo ficção científica limpam o avião.

Mascarados estilo ficção científica limpam o avião.

A privada do avião é mais barulhenta que sua turbina.

A privada do avião é mais barulhenta que sua turbina.