Arquivo da categoria: Belo Horizonte – MG

Superstições, coincidências e transtornos obsessivos compulsivos ao avião (BH)

Começo citando, pois este texto não sobreviveria sem isto:

Logo refletiu que a realidade não costuma coincidir com as previsões; com lógica perversa inferiu que prever um detalhe circunstancial é impedir que este aconteça.” (BORGES – meu autor favorito neste segundo – no conto Milagre Secreto).

Lembrei-me desta fala de Borges em dois textos, neste que você lê agora e no próximo que publicarei aqui e começarei exatamente da mesma maneira. Este se deve ao número do vôo em que eu embarquei: 1747, repito por extenso: mil setecentos e quarenta e sete, ou, como habitual, um sete quatro sete. Logo, pensei: ferrou! O número é trágico, não me soou bem, trouxe-me memórias estranhas. Então, seguindo a lógica de Borges, previ: CAIRÁ! Pensei isto exatamente para que não caísse, pois como todas as previsões são falsas, o Universo, Deus, o Destino, me contrariariam e manteriam o avião no ar.

Vinham à cabeça combinações exóticas como as que a Rede Globo faz para que todos os números relacionados ao Zagalo dêem treze. Por exemplo: vôo 1747. 7+7=14-1=13+4=17-4(quantidade de algarismos presentes no número do vôo)=13. Ou seja, o resultado final das contas são sempre manipulados para acabarem num número macabro. Macabro no meu ponto de vista, pois não é a mesma coisa para o PT e para o Zagalo (a Globo nunca perguntou pro Zagalo em que número ele vota, o PT bem que poderia usá-lo como “”””garoto”””” propaganda).

Agora, explico os dois principais fatores que me assustavam além-13:

1747 possui como três primeiros números os mesmos do ônibus que foi seqüestrado no Rio de Janeiro em 12 de janeiro de 2000 e resultou em morte.

1747 é um número que nos remete imediatamente ao avião da Air France que caiu neste ano: 474.

Por fim, digo que minhas previsões foram muito úteis e que Borges estava certo, justamente por ser óbvio que cairia, o avião não caiu. 1747 continua sendo um vôo noturno que vai de BH ao Rio e que me trouxe de volta, tranqüilo…

Antunes
Rio de Janeiro, 10 de dezembro de 2009.

Encontro

Drummond levantou-se da calçada de Copacabaca, largou seu banco, recompôs seus óculos e foi. Deixou o Rio pra trás, a rir com sua boca de pedra no meio do caminho do seu rosto. Encontrou Pedro Nava, pelas ruas de BH, pertinho da prefeitura, ao vê-lo, este, o gorducho, lhe falou:

Quando morto estiver meu corpo,
Evitem os inúteis disfarces,
Os disfarces com que os vivos,
Só por piedade consigo,
Procuram apagar no Morto
O grande castigo da Morte.

Neste exato momento fotografei: estavam os dois ali, num momento único, vivinhos de pedra,  juro.

Antunes
Rio de Janeiro, 6 de dezembro de 2009

Drummond, solitário, em Copacabana no Rio de Janeiro

Drummond e Nava se encontram nas ruas

A insistência da arte: entre prédios e viadutos

Os mineiros nos convencem pelo tanto que repetem. Repetem até ser natural, tão natural que parece brincadeira, tão brincadeira que parece sério. A arte: insistência nela. Sob o relógio da Estação está O Museu das Artes e Ofícios: mistura de trabalho e arte, se é que há separação. O lugar que abriga trabalhadores a ir e vir, abriga a história do trabalho. Se no lugar de pincéis, tivéssemos martelos? No lugar de quadros, tivéssemos bigornas? No lugar de ateliês, cadeiras de dentistas? É assim o museu das Artes e Ofícios. Bem próximo, o Palácio das Artes (embora eu ache – como Manoel – que as artes moram no esgoto e não em palácios). Ali, artesanatos são vistos: mas os artesanatos são artes ou ofícios? E quando a arte é ofício, deixará de ser-se? E assim BH insiste na arte, ao ponto de a vermos em todos os cantos: na cara do povo, nas nuvens do céu, nos mendigos da rua, nas estátuas de gente, nos matos caídos, nos palácios esguios, nos barracos à mostra e no despropósito das crônicas.

Antunes

Rio de Janeiro, 6 de dezembro de 2009

Ofício da vez: os carranqueiros

Museu das Artes e Ofícios

A bigorna, não é só em desenhos do Pernalonga que aparece

O Palácio das Artes

Dentro do palácio sem reis

Arte? Numa barraca do Parque Municipal

Arte? Foto ou pintura? Um deus brinca com as nuvens

O amendoim fantasma!

Desculpe-me povo de Belo Horizonte! Mil perdões! Desculpe-me, mas a verdade escapa-me como água por entre os dedos: convenhamos, BH está longe de ser um lugar turístico. Sinceramente (maldita sinceridade, parece que cuspo no prato que comi), não sei o que um turista vem fazer em BH. Só se for descansar depois de visitar Ouro Preto. Desculpe-me, povo tão gentil, mas se BH fosse bom como dizem as placas trilingues, vocês não iam passar as férias no Rio de Janeiro.

Guardei esta verdade comigo até agora, mas escapa-me depois que visitei a rua do Amendoim. Na falta de ponto turístico, BH – inventiva cidade de poetas – criou um. Arrisco sem medo de erro: a rua do Amendoim é a mais bem sinalizada de toda a Cidade, senão de todo Estado, senão de todo País, senão de todo Mundo! Há placas por tudo que é canto que dizem: rua do Amendoim. Quando não: calle, street! Curiosidade, curiosity, curiosidad! E foi esta curiosidad que me moveu até aqui: mas, afinal, o que tem a rua do Amendoim? Quem me dera leitor, que a resposta fosse óbvia e eu encontrasse lá amendoins de todos os tipos, ou, como está no singular, eu encontrasse lá ao menos um amendoinzim… bom, se por lá já existiu algum amendoim, já comeram faz tempo. É triste, mas lhes compartilho: a rua do Amendoim é como outra qualquer: casas dum lado, casas do outro, asfalto no meio e carros. Mas, que raios, então, faz com que ela seja tão difundida? Fui sanar minha curiosity no deus-pai-que-tudo-sabe: Google. Veja o que encontrei:

Ficou conhecida por uma ilusão de óptica. Visitando-a de automóvel, ao deixar o motor desligado e desengrenado e soltar os freios, temos a ilusão de que o automóvel sobe a rua, ao invés de descê-la.Várias explicações folclóricas tentam explicar o fenômeno. Uma delas diz que os carros são movidos devido à alta quantidade de minério de ferro existente no lugar, o que pode ser desmentido ao observar que objetos não metálicos, como líquidos e bolas, têm o mesmo comportamento no local. Na verdade, trata-se de mera ilusão de óptica.
Fonte: Wikipedia.

É, querido leitor, antes este texto fosse, também, uma mera ilusão de ótica.

Antunes. 26 de novembro de 2009 – Belo Horizonte

Primeira placa de sinalização na própria rua

Segunda placa de sinalização na própria rua

Terceira placa de sinaização na própria rua

Quarta placa de sinalização, na própria rua. Chega! Paremos por aqui.

Rua do Amendoim, a própria

As casinhas do Bairro Alto

Agora sou um ditador: mão napoleônica sobre a pança. Meu primeiro decreto é o seguinte: todos devem conhecer as músicas do Victor Jara. Pronto, resolvido o problema deste texto.
Agora que todos já sabem que Victor é um cantor chileno, assassinado pelo governo do Pinochet e já conhecem suas canções, passo a traduzir um trecho de uma delas:

As casinhas do Bairro Alto
Com cercas e com jardim,
Com garagem para carros,
Esperando um Peugeot.
Tem rosadas, verdezinhas,
Branquinhas e azulzinhas
As casinhas do Bairro Alto
Todas feitas com recipol.

Esta letra foi baseada em Little boxes, canción de Malvina Reynolds e ironiza a elite chilena, um dos motivos óbvios que levou Victor a ser assassinado. Mas, o que isto tem a ver com BH? Bom, ontem conheci as casinhas do Bairro Alto aqui de Minas Gerais. O bairro se chama Mangabeiras, fica na alta Serra das Mangabeiras, junto ao Parque das Mangabeiras e à Praça do Papa. Aqui é possível ver as casinhas coloridinhas sobre as montanhas, com cercas elétricas, Peugeots na garagem e, como disse Victor, todos “se sonríen y se visitan”.  O ponto de ônibus serve apenas para levar e trazer os empregados e os aventureiros como eu.

O curioso é saber que justamente ali, Vossa Santidade, João Paulo II celebrou a sua missa e soltou a pérola: “Daqui vejo um belo horizonte” (sacou o trocadilho? Hã, hã?).  Pronto, pegou, a praça virou Praça do Papa e o simpático velhinho marcou a história de BH. E por que a missa não foi feita em bairros como Santa Lúcia ou em lugares como o Papagaio? A resposta é fácil, benfazejo leitor, Mangabeiras é um Bairro Alto, está mais perto de Deus.

Antunes
Belo Horizonte, 26 de novembro de 2009

 

 

 

O horizonte de Belo Horizonte, foi isto que o Papa viu

Praça do Papa

Casinhas do Bairro Alto

 

O mundo gira ou pára?

Hora do almoço! Sob um Sol massacrante, cruzei a Avenida do Contorno, segui pela Célio de Castro e me arrastei até a rua Varginha. Tudo isto para chegar ao museu de marionetes do grupo Giramundo (que dá nome ao lugar). Decepção: fechado para almoço. Questionei-me: como pode um museu fechar justamente na hora do almoço? O lugar abre às 9h, fecha às 5h e fecha pra almoço? Desta forma, trabalhador nenhum, nunca no mundo, poderá visitá-lo. Formulei logo o mixuruca trocadilho: assim o mundo não gira, pára!

Fiz resistência em pé na porta, debaixo duma árvore, aproveitando a sombra. Quando deu uma e sete, as portas se abriram. Fui recebido por um manipulador de marionetes chamado Neto. Muito solícito, o titiriteiro foi apresentando-me o lugar e misturando-o com a história do grupo, tirou fotos e informou-me que a entrada era três Reais, pois eu já quase saía sem pagar.

O lugar é muito interessante e vale à pena visitá-lo com calma (coisa que não fiz). Há bonecos de todos os tamanhos e para vários gostos. Não é à toa que o Giramundo é o maior grupo de titiriteiros do Brasil e já tem, mais ou menos, uns 40 anos. Ao longo desta história, o grupo já girou todo o mundo enquanto o mundo parava diante dos seus incríveis bonecos.

Antunes
Belo Horizonte, 25 de novembro de 2009

Frente do museu Giramundo

Bonecos do Giramundo

O dragão e a princesa

Quijote y yo

Sancho y yo

Bonecos do espetáculo Giz

Bonecos em cena

Dieta a pão de queijo

– Bom, dia senhor Vinícius, é o nosso serviço de despertador, já são sete e meia.

– Muitíssimo obrigado mesmo! – agradeço.

É assim que começa o meu dia no hotel. Como esqueci o carregador do celular, sou despertado por alguém que me acorda pelo telefone. Desço, trezeguetiando, até o pilotis e desjejuo rodeado de pães de queijos. Vou ao curso. 10:30 é sinônimo de intervalo. O lanche: muitos pães de queijo. Quando chega o almoço eu nem tento comer nada, com medo que me ofereçam pães de queijo. 15:30 é sinônimo de um segundo intervalo e, adivinhem: mais pães de queijo. Como não almocei, sinto fome e sou obrigado a comer. Às 18h saio do trabalho e vou procurar um lugar para jantar que não possa oferecer-me pão de queijo, difícil tarefa, até McDonald’s, hoje em dia, serve pão de queijo. Imagino: dois hambúrgueres, alface, queijo, molho especial, cebola e picles, num pão de queijo! É Minas Mac! Volto ao quarto. Recostado, durmo. Tenho pesadelos terríveis com um imenso senhor Pão de Queijo que me persegue rodeado de pães de queijinho. Sempre que estou no auge do pesadelo, toca o telefone. Então, não resisto e agradeço enfaticamente àquele que me salva: Muitíssimo obrigado mesmo!

Antunes
Belo Horizonte, 25 de novembro de 2009