Arquivo da tag: Barroco

As Cabeças e a Igreja dos Negros

O senhor veja o efeito, apenas a sensação, imagine; veja a ilusão do barroco, mesmo em movimento como um rio parado; veja o jogo de luz e sombra, de cheios e vazios, de retas e curvas, de retas que se partem para continuar mais adiante, de giros e volutas, o senhor vai achando sempre uma novidade.” (DOURADO, Autran. Ópera dos Mortos)

O olho não se move, como o barroco se move.” (DOURADO, Autran. Ópera dos Mortos)

Só existe barroco porque existem os pretos e quem anda por Tiradentes pisa nas cabeças dos pretos que são as cabeças que pensaram a religião dos brancos que é também a religião dos pretos e que se movimenta pelos corações vermelhos dos pretos que põem sua fé no rosário dos brancos que é a igreja dos pretos, e a santa dos pretos, feito são Benedito, feito Nossa Senhora Aparecida, feito os quinze mistérios da igreja dos pretos, primeira de Tiradentes, que era branco, que sequer queria libertar os pretos, mas virou herói dos pretos que somos todos nós e que negamos ser porque queremos ser brancos, nada de pretos, embora só haja branco porque haja preto, senão sequer se perceberia branco e preto, pois todo antônimo precisa de seu antônimo e quem sabe um dia virarão sinônimos já que são tão necessários um ao outro, mas se queres saber a diferença, olhe as mãos, pois as mãos dos brancos são lisas e as dos pretos grossas, como são as coxas de fazer telhas, como são as cabeças de pensar a religião dos brancos e fazer o mundo dos brancos que antes de ser o mundo dos brancos era o mundo dos pretos, era a escuridão, daí que nasceu o mundo de brancos que só são brancos por causa dos pretos.

Antunes
Rio de Janeiro, 2 de janeiro de 2011

Cabeça de Negro, em Tiradentes, é como se chama o chão de pé-de-moleque

Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos (Tiradentes)

O teto da Igreja, repleto de histórias e sinais

O Santo Negro

No altar da Igreja Nossa Senhora dos Pretos

Curiosidades Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos

Ópera dos mortos

…quando a alma se desprende? A gente deixa sempre presença no mundo, nos outros. É o que fica, o resto evapora. (DOURADO, Autran. Ópera dos Mortos)

A única certeza que temos, dizem, é que morreremos. Duvido um pouco desta certeza, visto que nunca morri e não posso garantir que todas as pessoas que estão vivas morrerão. Porém, se a lógica continuar a mesma, é bem provável que isto aconteça. Sei que todos os homens que ergueram os principais prédios das cidades pelas quais passei já morreram e eu, que tento reerguê-los em palavras, provavelmente, morrerei, é triste, mas é o que especulam. E ficará a graça destas frases vãs até que já não restem olhos para lê-las, como ficaram as lápides nos cemitérios históricos. E tantos já morreram, que já não sabemos mais onde ocultar os corpos: há corpos pelo chão das igrejas, pelos jardins e amanhã haverá corpos nas paredes, nos tetos e no ar que respiramos. E, todo ar que respiramos já não está repleto dos que se foram? Há tempos já não podemos viver sem passado.

Antunes
Rio de Janeiro, 2 de janeiro de 2010

A Igreja da Matriz de Santo Antônio guarda ao seu lado um cemitério

Eles, os mortos

Eu - eles, amanhã

As casinhas de Deus e dos homens tortos

Se Deus é tão grande, como cabe numas casinhas tão pequenas? Deus é tão grande que precisa morar em várias casinhas pequenas. Na verdade, Deus não mora nas casinhas pequenas. Só mora a via crucis – que mora não só ali, mas em todas as igrejas do mundo que conheço.

Congonhas tem o privilégio de contar com o maior acervo barroco do mundo. O Santuário Bom Jesus dos Matosinhos, é diferente de todas as outras igrejas que já vi, pois é muito mais rico por fora do que por dentro: fora estão os 12 profetas e as capelas da via crucis que são consideradas obras primorosas do Aleijadinho e lotadas crítica e bom humor. Dizem que para atacar a repressão política da época, Aleijadinho metaforizou a repressão nos judeus que crucificaram cristo e desfigurou-os: pés torcidos, narizes imensos… Aleijadinho talvez tenha sido o primeiro e único cartuinista barroco do mundo. Aprendeu a torcer as imagens com Deus que o deixou torto pra toda a vida.

Antunes
Rio de Janeiro, 22 de novembro de 2010

Eu entre as capelinhas onde mora a Via Crucis de Cristo e do Aleijadinho

Uma das capelinhas onde ficam cenas da via crucis

Enquanto apóstolo dorme, Cristo recebe visita de um anjo

A última ceia segundo Aleijadinho

Cristo sendo preso. Repare no nariz dos guardas.

A tortura de Cristo. Repare nas botas do guarda da direita.

Cristo sendo coroado como Rei dos Judeus

Cristo carregando a cruz

Crucificação de Cristo

A Igreja de São Francisco e as igrejas de São Francisco que nada têm de São Francisco

Perdão senhor por não amar-vos
(Carlos Drummond de Andrade, São Francisco de Asis)

A minha ignorância é clara, leitor. Se é que há ignorância clara, pois sempre que se fala em ignorância se faz associação às trevas. É o conhecimento que está ligado à clareza. Porém, pouco me importa: é clara a minha ignorância – reafirmo. O que ignoro é a resposta à seguinte pergunta: Por que São Francisco, santo ligado ao voto de pobreza, lhe tem dedicadas igrejas e catedrais tão suntuosas ao redor do mundo? Cresci ouvindo os versos do meu xará de Morais “Lá vai São Francisco pelo caminho, de pés descalços, tão pobrezinho.” E me deparo, agora que virei um burro velho, com a Igreja de São Francisco em Évora, com a Basílica de São Francisco em Umbria, como o Convento de São Francisco em Lima etc. etc. etc.. Se fosse uma crítica, este texto poderia ser de uma revolta juvenil. Entretanto, falo despojado de revolta. O que me move é apenas uma dúvida quase existencial.

Cheguei a Ouro Preto e me deparei novamente com o fato: uma das mais ricas construções dentre todas as construções das cidades históricas foi feita ao Santo Francisco. Se eu fosse devoto de teorias de conspiração, acharia que o Vaticano faz estas coisas planejadamente só pra ferrar com o santinho dos pés descalços. Sentado no banco da igreja, tirei umas fotos escondidamente (pois é proibido tirar foto de dentro), enquanto imaginava São Chico entrando em sua própria igreja, olhando as esculturas do Aleijado, as pinturas do Ataíde, aquele ouro, aquelas tumbas no chão… enlouqueceria, feito um Hamleto. Imaginei o Santo Italiano tal qual um amaneirado personagem shakespereano, tomando um crânio em mãos e perguntando num trôpego inglês: “to be, or not to be: that’s the question” E temi meus pensamentos e minhas loucuras, pois por pensar no santo louco, louco fiquei. E não é a loucura tão forte que é capaz de converter a idéia em realidade? É.

Antunes
Rio de Janeiro, 5 de outubro de 2010

O São Hamlet Francisco: to be or not tobe that’s the question

Diante da Igreja de São Francisco em Ouro Preto

A foto proibida que tirei do teto da Igreja de São Francisco feito pelo mestre Ataíde


Leitura do poema São Francisco de Carlos Drummond de Andrade diante da Igreja de São Francisco em Ouro Preto.


Nôla Farias narra o cenário que envolve a Igreja de São Francisco.

Politeísmo grego no mundo cristão

Pela ninfa, que jaz vertida em louro,
o grande deus Apolo não delira?
Jove, mudado em touro
e já mudado em velha não suspira?
Ama Apolo, e o fero Marte;
Ama, Alceu, o mesmo Jove:
Não é, não, a vã riqueza,
Sim beleza,
Quem os move.
“Aos negros, duros pesares
“Não resiste um peito fraco
“Se o amor o não fortalece:
“O mesmo Jove carece
“De Cupido, e mais de Baco.”

(Tomás Antônio Gonzaga, Trechos de Marília de Dirceu)

Logo que acabei de ler Marília de Dirceu, escrito por Tomás Antônio Gonzaga, subi numa mureta em Ouro Preto pra olhar a cidade e tentar reviver alguma coisa da obra. Dali de cima, vi Jesus crucificado, perdido entre montões de anjos. Vi Marias, todas elas, desde a de Cristo até a de Magdala. Vi guias turísticos, vi taxistas, vi ladrões e até me vi, em alguma janela, a espreitar a minha Marília e foi o máximo que vi. Não consegui ver Apolo com seu arco a pisotear casebres ao guerrear pela justiça. Não vi Cupido algum – embora até houvesse amores – atirando suas flechas em qualquer que atravessasse seu caminho. Não vi, pelas ladeiras de Ouro Preto, nenhum Baco a rolar embriagado. Não encontrei pela cidade nenhum deus Marte a travar guerra contra os cristãos. Tampouco vi sobre uma nuvem, o senhor Jove tronante, a punir-nos com seus raios. De livro na mão, voltei a sentar e percebi que o Barroco ali é matéria, o arcadismo é uma idéia.

Antunes
Rio de Janeiro, 24 de setembro de 2010

BARROCO

Confuso e não apenas em seu existir, é o Barroco. Em sua definição, inclusive, é confuso. São barrocas as Cidades Históricas de Minas? São e não só. Afinal, não é barroca a poesia de Dirceu, o Tomás Gonzaga. Neoclássica, dizem-lhe. O Rococó é que predomina em Ouro Preto, não é? Barroco, cadê? Aos nossos olhos, diante do confuso, tudo é Barroco. Sábia é a definição popular que não se angustia com teoria: “olhou pro altar e não viu Jesus, só anjo, é Barroco!” Cafajeste é a escola que nos engana quando crianças. Barroco não é só monte de ouro nas paredes, negrinhos apanhando, povo alucinado e tudo terminando em igreja. Barroco vai além das sintaxes invertidas e duras de ler, do rebuscamento grandiloqüente vocabular. O Barroco está mesmo é na nudez do Cristo, na bunda dos anjos, nos lábios pintados da Nossa Senhora que, no século XVIII, já não era virgem há muito tempo! Barroco está na nossa ação libidinosa de entrar e sair de cada igreja a procura de algo novo no meio daquele tudo igual. Barroco é nossa enfermidade de dizer bonito ao feio. Barroco é nosso viver e viajar.

Antunes
Rio de Janeiro, 15 de setembro de 2010

Bem diz o dito popular: barroco é olhar pro altar e Cristo não achar.

Barroco é o decote de Cristo e insinuação de nudez dos anjos

Barroco são as feições orgásmicas das virgens santas.

Barroco são os lábios pintados de batom e os cabelos fugindo do véu.