Arquivo da tag: Comer

Comer e morrer

Achava que dentro de um critério estrito todo remédio era veneno, e que setenta por cento dos alimentos correntes apressavam a morte.”
(Gabriel García Marquez em O Amor nos Tempos do Cólera)

Há uma música do uruguaio Daniel Viglietti que traz o paradoxo: “Me matan si no trabajo, y si trabajo me matan.” Faço a adaptação: “Me mato si no como y si como me mato”. Este é o paradoxo que quero. Comer é algo que sempre nos faz mal, caso exerçamos ou não o verbo. Quiçá, então, o melhor seja morrer comendo ou morrer de tanto comer, visto que pelo menos traz algum prazer. E, para envenenar-se, a Colômbia, especificamente Barranquilla é um paraíso. Um costume de nossos vizinhos é a mistura de carnes: frango, boi e porco num mesmo prato. Outra tradição barranquillera é a fritura. Tudo, praticamente tudo, em Barranquilla é frito. Por exemplo, o lanche da tarde no intervalo do trabalho era bolinho de aipim. No café da manhã, nada de pãozinho com manteiga, o bom era carne de porco e frango! Porém, o deus da mesa é o café. El cafecito colombiano é motivo de orgulho nacional. Andando de taxi, meu motorista parou no posto para que tomássemos um café, pois julgava que eu não poderia sair da Colômbia sem tomá-lo. Só que, eu já tinha tomado tantas vezes, pois todos julgavam como ele e queriam me empurrar café pelas goelas abaixo com uma rivalidade futebolística: “Depués que lo tomes no quererás más el de Brasil.” Tornei à terra do feijão com arroz, continuo viciado no café brasileiro, pouco tempo fiquei em Barranquilla, mas trago comigo a certeza de que quando eu morra, ela terá sido uma das principais responsáveis.

Antunes
Rio de Janeiro, 25 de janeiro de 2011

Panzerotti de Carne - a primeira comida que encarei na Colômbia

O panzerotti por dentro: lingüiça, presunto e carne moída (aeroporto de Bogotá)

El churrasco ou la parrillada que segundo o garçom é pra UMA pessoa

Pizza que comi no restaurante Torre de Pizza em Barranquilla

A Pizza mais só que já comi

brownie colombiano

Lá eles comem pamonha também, é no café da manhã

Cardápio de um fast food tipicamente colombiano

Arroz trifásico com a mistura de carnes que eles gostam

Limonada feita com água de coco

Gastronomia pebana e canaense

Parauapebas e Canaã dos Carajás são lugares sem livrarias e não é porque as cidades são contra a comercialização do saber. Como consolo, falaram-me que há uma biblioteca perdida por Peba, mas não vi, escondeu-se de mim. Mesmo assim, se bater aquela vontade de comprar um livrinho, controle-se ou saia correndo pra Belém. Sendo impossibilitado deste maior bem que o homem pode ter: ler, vamos ao segundo: comer. Ficar nestes lugares significa engordar. Não que a comida seja maravilhosa, mas comer é a melhor opção de lazer. Assim que cheguei em Parauapebas e Canaã apanhei para encontrar “comidinhas e bebidinhas”, mas consegui superar o sofrimento e indico aqui os menos piores lugares para quem não quer morrer de inanição no meio da floresta.

PARAUAPEBAS

Acarajé do Baiano
Rua G, 258 – Bairro União

Eu nunca tinha comido acarajé e vatapá e arrisquei no Pará. Deu certo. O baiano tem uns pratos muuuito baratinhos e o acarajé é delicioso, transborda camarões – por um momento fiquei em dúvida se estava mesmo no Pará, ah, mas os paraenses reagem: o Vatapá é nosso!

Don Mendonça – restaurante e pamonharia
Rua 10, nº242 – Cidade Nova

Diferente do acarajé, eu já tinha comido pamonha. Pra ser bem sincero, eu não tinha gostado muito não. Porém, quando entrei no Dom Mendonça achei tudo meio caro e restou-me arriscar as pamonhas que são baratinhas… caramba, tomei um susto, o treco era muito gostoso. Se for a Parauapebas, não deixe de comer as pamonhas do Mendonça.

Nany’s Caldos Grill
Rua 10, esquina com a Rua G, Cidade Nova.

Longe de ser o paraíso, o lugar serve pra aumentar ainda mais o calor do lugar, ainda mais se lascar pimenta como eu fiz. Quando voltei pro hotel eu suava até pelos fios de cabelo. Mas, é uma pedida barata pra comer um caldo de mocotó, costela, camarão, ovo e por aí vai.

Praça Mahatma Gandhi

Pra quem gosta de comer podrão no Rio de Janeiro, o lugar não vai assustar. É um pólo gastronômico: tem sorvete de frutas típicas e barracas com várias descendentes de indígenas vendendo Tacacá. Explico: Tacacá é uma comida típica do Pará, o sabor é desconfortável, como se estivesse tomando uma cuia de água do mar com vinagre. Tem, também, o guaraná da Amazônia. A receita é: xarope de guaraná, pó de guaraná, castanha, amendoim, leite em pó e água. Se você quer arriscar o diferente, vale à pena.

CANAÃ DOS CARAJÁS

Vale dos Carajás – Bar & Restaurante
Rua Sucupira, 13 – Centro

É difícil encontrar comida boa em Canaã dos Carajás. O Vale é um restaurante familiar típico de Goiás, possui o melhor espetinho de carne com bacon da região e o atendimento é quase igual ao do sofá da sua casa.

Garfos Pizzaria
Rua Asdrubal Bentes, nº519

Se há uma coisa cara em Canaã é a pizza. Porém, na falta de opção, vale arriscar a portuguesa do Garfos, com a massa grossa, meio queimadinha, mas gostosa. O suco de cupuaçu é o melhor que tomei em todo o Pará.

Beer.com
Av. Weyne Cavalcante, 846


Este restaurante é dos mais originais: sua vista dá pro cemitério local, o que nos faz questionar sobre as origens de suas carnes, com disse meu amigo Roberto Augusto: não é carne, é presunto. Não recomendo a carne-de-sol, os defuntos do Rio são bem melhores. A especialidade do lugar é o Tucunaré, mas não posso recomendar porque não arrisquei. O atendimento não é bom e a maioria dos pratos são pra duas pessoas.

Girafas – Alacarte Gril
Av. JK nº114

Esta é uma pérola local. Na falta de outro melhor, deveria virar ponto turístico. É um genérico do famoso fastfood Giraffas, sendo que o cardápio é igualzinho e a comida é bem melhor. Só vendo pra crer.

Dado o mapa da mina vale a pena você sair do conforto do seu lar, atravessar a floresta, adentrar o Pará, só para comer nos deliciosos “restaurantes” interioranos. Aproveite!

Antunes

Rio de Janeiro, 15 de outubro de 2009

O Tucunaré com vista pro cemitério

O Tucunaré com vista pro cemitério

Girafas genérico

Girafas genérico