Arquivo da tag: Contador de Histórias

Uma fazenda em Canaã

Quem me contou esta história foi meu guia: Luiz Gonzaga. Viajávamos de Parauapebas para Canaã e o “era uma vez” foi balbuciado diante duma fazenda abandonada. Transcrevo: “Era uma vez um homem que cá vivia: chapéu rasgado, macacão rasgado, botas rasgadas, olhos rasgados, parecia descendente de índios, não se sabe. Vivia entre os suínos que eram os primeiros a lhe grunhir “bom dia”. Comia ao lado deles. Dormia ao lado deles. Namorava com eles, ou, dizem alguns, namorava-os. Era porco também. Dado dia, chegaram dois famintos e lhe roubaram um porco das centenas. Zé dos Porcos foi à polícia, deu parte e ajudou a caçar e a prender os rateiros. Passados dias, um tiro fechou os olhos do Zé. Dizem que foi um amigo dos moços à guisa de vingança. Os porcos lhe comeram as carnes e quando descobriram o corpo só tava esqueleto. Descobriram também que debaixo da cama havia montanhas de ouro ainda da Serra Pelada. A família do Zé era de São Paulo e cansava de chamá-lo pra morar consigo. Zé dizia sempre não, se é que sabia pronunciar algo. Suas carnes ficaram para os porcos, seu ouro para os herdeiros e seus ossos bastaram ao chão.” Foi assim que seu Luiz concluiu a história, lembro como fosse agora.

Antunes

Rio de Janeiro, 4 de novembro de 2009

O Guia

Sabe aqueles filmes ou livros em que o protagonista vai prum lugar desrumado e encontra um guia? Pois assim foi: o protagonista sou eu, afinal, sou o dono da pena e o meu guia tem um emblemático nome: Luiz Gonzaga. Nome de cantor! E do meu filho é Nelson Nedi!, fala ele, orgulhoso. Seu Gonzaga foi meu motorista em Parauapebas e me levou até Canaã dos Carajás. É uma personalidade local, gente humilde, um monumento da cidade nascido no Piauí, deveria ser tombado ainda que vivo e ainda que gente. Entre nenhum patrimônio histórico de Carajás há um: ele.

Gonzaga é um contador de histórias nato, facilitador das causas impossíveis, quase São Judas Tadeu. Nasceu antes da própria cidade de Peba, nasceu antes de Canaã de Carajás, é parte de lá. Quando morrer tem projeto de ser padroeiro do lugar, santo protetor das moças de pernas bonitas e de pêlos aloirados. As melhores pérolas da região saem de sua boca e as contarei por aqui, transcrevendo a palavra deste profeta impuro da cabeça chata.

Quem estiver perdido pelo local, não é difícil encontrá-lo: tem número pra cada operadora. Seus preços são os melhores da região, o que não significa barato: taxi no interior do Pará é caríssimo. Vale para puxar uma conversa e andar sem se perder.

Telefones do Luiz Gonzaga:

(94) 8116-9841

(94) 8801-7692

(94) 9165-3751

(94) 9908-9858

(94) 3346-0187

Endereço:

Rua São Paulo, nº440 – B. Primavera

SDC11374
Luiz Gonzaga, motorista e Guia

Antunes
Rio de Janeiro, 27 de outubro de 2009