Arquivo da tag: Diabo

O pobre diabo

Um pobre diabo
Na porta da igreja
Ressona maldades
E sete pecados
(CERES, Carla. Heresia)

Não sei financeiramente, se era pobre ou rico. Não era isso que o definia pobre, sequer diabo. Quando o vi, sua pobreza estava à boca. Eu até preferiria dizer, soaria melhor, “quando o vi, seus olhos diziam que era pobre.” mas que fazer se sua pobreza morava sobre a língua? Era pobre por não conhecer mais que meia dúzia de monossílabos, mesmo assim de dicionaridade duvidosa. Quanto a diabo, era pois, também, por causa da boca. Boca esta que vivia a lançar desconexas palavras contra deus e contra si.

Surgia, às horas mortas, pelos bares em frente à Igreja de São Francisco, e mendigava restos de cerveja quente e petisco frios aos turistas de São João Del Rei. Agradecia retirando o chapéu e curvando-se. Sussurrava palavras incompreensíveis, mas que aparentavam ser de gratidão. Colecionava, no bolso, incontáveis guimbas de cigarro achadas pelo chão e fumava-as aos poucos com a vagarosidade que a vida não costuma ter.

Tive-o diante de mim por duas vezes. A primeira foi pela noite, enquanto eu bebia uma cerveja qualquer apenas pelo ato de bebê-la. Senti-lhe o mesmo nojo que se sente por um pombo adoecido. Berrava palavras esparsas e sua língua preta via-se de longe. Babava o queixo e andou até bem diante de mim. Abaixo-se de cara no meu prato e lambeu as migalhas duma bata-frita. Empurrei-o ao mesmo tempo em que chamei o garçom, paguei a conta e sumi no meio da noite, como fosse eu o pobre diabo. A segunda vez que o vi, foi pela manhã. Eu estava sentado aos degraus da Igreja de São Francisco, o pobre diabo corria dentre umas crianças que lhe tacavam terra e lhe berravam nomes feios. Ele brincava. O vento batia em seu cabelo e tentava amaciá-lo, ao mesmo tempo em que as flores dos jardins ressignificavam seu cheiro. A cena era única, era outro aquele homem quando comparado à primeira vez que o vi. De repente, voando de leve, surgiu uma borboleta azul. O maltrapilho estendeu-lhe o dedo. Pensei no mundo que se reconfigurou diante de mim, na beleza dos dias, no sol, na natureza. Neste exato momento, de supetão, o pobre diabo levou a borboleta à boca, engoliu-a e xingou todos os palavrões de uma só sílaba que podem e poderão existir em qualquer dicionário da face da Terra.

Antunes
Rio de Janeiro, 27 de dezembro de 2010

Igreja de São Francisco - São João Del Rei à noite.

Em um dos bares diante da Igreja de São Francisco

Igreja de São Francisco - São João Del Rei de dia

As ladeiras de Ouro Preto

Ora próximo de Deus, ora próximo do Diabo. Talvez seja isso o que as ladeiras de Ouro Preto queiram dizer. Ora próximo de Deus, ora próximo do Diabo. Toda subida carece de uma súplica e faz recordar orações mais ditas pelas avós. Toda descida, um momentâneo alívio, falsa ilusão que o sofrimento acabou. Se não bastasse, as ruas inda são tortas só pra lembrarmos-nos da certeza de Deus. E as pedras que escorregam, as que ferem os pés, as pedras de dor, ora são de Deus, ora são do Diabo. Por estas mesmas ladeiras, subiram inconfidentes, subiram escravos mineiros e escravos de ganho, subiram damas da corte, subiram homens valentes, subiram padeiros, subiram atores e todos eles, mais alguns passos à frente, novamente desceram. Ora próximo de Deus, ora próximo do Diabo.

Antunes
Rio de Janeiro, 21 de setembro de 2010

Ar leve e seco como a rocha

“Otra vez este flamear invisible, seco, que se pega a los cuerpos. Me parece que debería abrirse una ventana en alguna parte para que entrase el aire.”
(Augusto Céspede, El Pozo)

Soroche: É um efeito causado pela falta de oxigênio. Apresenta sintomas claros e perigosos: indisposição geral, seguida de forte dor de cabeça e uma ânsia de vômito incontrolável. (fonte: http://www.arqueologiamericana.com.br)


Em La Paz, não sofri em momento algum com o maldito SOROCHE. Estive tal agnóstico que só sabe que há diabo porque lhe disse alguém. Não senti o Demônio, mas o suposto Cão atacou minha esposa. A pobre teve dor de cabeça, vontade de vomitar, sono…  nem a água benta chamada CHÁ DE COCA lhe tirou o mequetrefe do corpo. Seus pulmões não foram suficientes, mas os meus, treinados por quase três décadas de bronquite, adquiriram resistência aos mais de três mil metros de altura (cada vez creio mais na lei da compensação). Até admito que em La Paz não funcionei como funciono no Rio de Janeiro: faltou aquela energia pra dar o pique atrás do ônibus, as ladeiras pareceram sempre maiores, o corpo mostrou-se mais pesado… porém cheguei a imaginar que isso eram apenas setas de Satanás e não o Cramunhão em sua íntegra. Das facetas fantásticas do ar, a única com que tive contato foi a Secura. Em La Paz, talvez não sejam todos atingidos pelo SOROCHE, mas parece-me impossível não ser atingido pela aspereza do ar, seco com uma rocha. A cidade parece contrariar as leis da natureza e apresentar ar em estado sólido. A boca logo fica seca e descasca, a sede é constante. Há, ainda, uma mescla improvável, presente em uma música popular latino-americana gravada e repensada por Chico Buarque: “Soñé que el fuego heló. Soñé que la nieve ardia.” La Paz é neve que arde: sob um frio de quase zero grau, é possível ficar queimado de sol sem perceber e sem derramar suor. Depois de andar pelas ruínas Tihuanaco, cheguei ao hotel no centro de La Paz com a pele totalmente seca e queimada, chegava a descascar. Eu poderia confundir-me com o chão de terra batida do império: desértico e maltratado pelo Sol. Foi então que percebi que o Soroche e a Secura não eram intervenções diabólicas, mas as mãos dos deuses andinos que queriam converter o invasor pseudoeuropeu em pó seco, apenas para que o pesado vento me levasse dali.

Antunes
Rio de Janeiro, 15 de julho de 2010

Em meio ao Tihuanaco: frio, sede e sol forte. Muita água para combater a aspereza do ar.