Arquivo da tag: Gol

Maradona, un dios con la diez

Nós amamos o futebol, os argentinos são fanáticos. E esta religião possui o deus Diego, o Maradona, o 10. Melhor que Pelé: é o que crêem os fundamentalistas. Porém, ao conversar com um taxista, ouço: “mi padre me dijo que Pelé fue mejor.” É um ateu, não lhe dê ouvidos.

As manifestações religiosas são infinitas: ímã com a cara do Dieguito, camisa, pôster, boneco, estátua, Che Guevara com Maradona tatuado no braço, igreja maradoniana e… um sósia que cobra pra tirar fotos. Por falar em sósia, Diego é, ainda, moda. Muitos querem imitar seu corte de cabelo e sonham em imitar seu futebol que gruda a bola nos pés, que dribla o oponente, que chuta com a certeza do gol e comemora com irreverência: Maradona, um deus que explode de alegria, um Dionísio argentino.

Antunes

Bs. As., 8 de enero de 2010.

Por los caminos de Maradona

Com a estátua de Maradona

Maradona: genio y pasion

Maradona entre o elenco do Boca Juniors

Maradona na sacada do Caminito

O sósia do Maradona arrumando una plata

Che Guevara com camisa azul e branco e tatuagem do Maradona no braço

Agora sim, Maradona com Che Guevara no braço

CAMISAS: que la chupen y que la sigan chupando

Bonequinho do Maradona sobre o meu lap top

Gol contra

Chovia. Ou melhor, choveu durante toda a semana. Minto. Não choveu durante toda a semana, pois sábado de manhã no casamento da Jaque não choveu, pelo contrário, fez sol pacas. Dizem que ela gastou ambos os joelhos orando pra fazer sol porque o casamento era a céu aberto. Eu também gastei os meus, mas que posso fazer se Deus prefere os casamentos aos vôos?

Entre chuvas, a Gol preparou-me uma surpresinha: terceirizou o vôo. É, baratíssimos leitores, se não bastasse terceirizarmos faxina, telefonia, segurança, agora terceirizamos o ato do vôo. A responsável por me levar a Vitória foi uma tal de Flex linhas aéreas (nunca ouvira falar). Metaforizarei: imaginem se a águia resolve terceirizar seu vôo a uma galinha. Pronto, foi isso.

Como todos os leitores sabem, fiz um MBA em Aeroportuária¹ e uma das brilhantes teses a que cheguei foi: “Todas as aeromoças são bonitas, inclusive as feias.” Toda regra possui uma exceção ou minha tese foi por água abaixo? As aeromoças da Flex são tiazonas encalhadas que por não terem o que fazer resolveram viajar por aí a bordo de aviões. As janelas da Flex possuem as borrachas arrancadas, as poltronas são frouxas sem apoio pra cabeça, o ar-condicionado não é individual, o avião faz um barulho de cigarra durante o vôo, treme pra caraca e, pasme, humilde leitor, pasme comigo: nem bilíngüe os anúncios são. Rola um português meio capenga, picotado e pronto. Ok, ok, falar-me-á o leitor: pra quem viajou na Passamedo², a Flex é luxo. É, leitor, mas com a Passamedo eu fui pra São José do Rio Preto e com a Flex eu fui pra Vitória, Capital do Espírito Santo, o terceiro da trindade de um Deus uno, ou seja, o primeiro da trindade também.

Mas, o importante leitor, cito Shakira: estoy aqui e, apesar da Gol contra, cheguei a Vitória.

1 – Ver a crônica MBA em Aeroportuária, clique aqui.

2 – Ver a crônica Quando os pilotos tomam guaraná, clique aqui.

Antunes
Vitória, 14 de dezembro de 2009

Flex: pra quem só acredita vendo!