Arquivo da tag: Lagoa Rodrigo de Freitas

Narciso

Este texto foi publicado simultaneamente por César Tartaglia no blog No Front do Rio do Globo.com
São um ou dois pássaros, ali do lado direito. Algumas plantas se movem, não dá pra saber quantas ou quais são. Umas imagens deformes parecem pessoas. Um rosto que vai se multiplicando e logo volta a ser um, fica torcendo e distorcendo, balançando sutilmente de um lado para o outro e às vezes se desfaz em anéis de água. São quatro ou cinco olhos negros, vidrados e curiosos. A pele também é negra e de múltiplos contornos.  O cabelo é ouriçado como anéis que uma pedra produz ao cair num lago. As orelhas não estão na mesma direção. A boca parece metade triste, metade feliz. O nariz é torcido. Parece que Deus é Edvard Munch. É o que Narciso vê refletido na Lagoa Rodrigo de Freitas, abaixado em um deck próximo ao Parque dos Patins.

Os turistas que passam, talvez não entendam ou não tenham tempo para entender. Os moradores já não se importam, pois sabem que aquele homem não faz mal algum. Enquanto todos caminham, fotografam, pedalam, Narciso vê apenas os reflexos na água da Lagoa, tal sombras platônicas redimidas. Detêm-se naquele rosto recriado pela Rodrigo de Freitas e se contempla de manhã à noite, quando o sono chega e o faz sonhar seu reflexo de água.

Seu rosto é o rosto do Cristo Redentor negro, seu corpo gigante escala a pedra da Gávea em posse de uma turista loira e de seios grandes, ele é um King Kong. Urra até despertar com o próprio urro. Recomeça o dia ajoelhado sobre um deque da lagoa. Os turistas contemplam a paisagem. Narciso contempla as imagens da Lagoa, seu rosto entrecortado por uma garrafa pet, seus olhos mesclados a sacos plásticos, seu cabelo espuma branca, sobre sua boca um peixe morto. Narciso quer mordê-lo: aproxima-se do reflexo a ponto de tocar o nariz no espelho d’água, submerge o rosto para abocanhar o peixe. Desequilibra-se. Narciso mergulha no reflexo, o reflexo acolhe Narciso. Parte a parte encontra-se o corpo: primeiro a cabeça, ao final, os pés. Mesclam-se numa figura única sob as águas sujas e calmas da Lagoa Rodrigo de Freitas.

Antunes

Ilustração: Rogerio

Rio de Janeiro, 5 de março de 2011

Crônica Falada 10: Lagoa Rodrigo de Freitas

Fui à Lagoa Rodrigo de Freitas investigar: quem é esse tal de Rodrigo? Depois de descobrir, resolvi encabeçar um abaixo assinado para a mudança de nome da Lagoa.

Antunes
Rio de Janeiro, 21 de abril de 2011

LAGOA

Cheguei a pensar que fosse um MAR…
_______Quando pequeno, se parasse ali
______________achava que era a orla de Copacabana, Ipanema, Leblon
______________achava que era a Enseada
______________achava que era a Baía de Guanabara.

A Lagoa me guardava mistérios como aqueles MONSTROS MARINHOS
de fim da Idade Média.

Eu queria sonhar que nossa Lagoa guardava um monstro que nem o do Lago Ness.

O Rio de Janeiro não é especialista em Godzillas.
_______As crianças passeiam de pedalinho na Lagoa.
_______As crianças andam de velotrol à beira da Lagoa.
_______As crianças patinam à beira da Lagoa.
E nenhum monstro marinho, nenhum tubarão, nenhum alligator

Fosse nos Estados Unidos, fosse no Japão…
_______Mas no Brasil é esta paz no que diz respeito à monstros.
_______Nossos monstros são tão outros.

Minha irmã – aí eu já era velho – vinha me contar histórias de uma ÁRVORE DE NATAL iluminada. Nosso Rio de Janeiro é sempre essa paz natalina de ausência de tudo. Essa paz de LAGOA.

Antunes
Rio de Janeiro, 18 de abril de 2011

Atrás das folhas, a Lagoa.

Sobrevoam a Lagoa

Dentro da Lagoa, dentro da canoa

Cristo visto da Lagoa

Pássaros pousados na árvore

e pássaros pousados no barco

Grande como um poste