Arquivo da tag: Ouro Preto

As ladeiras de Ouro Preto

Ora próximo de Deus, ora próximo do Diabo. Talvez seja isso o que as ladeiras de Ouro Preto queiram dizer. Ora próximo de Deus, ora próximo do Diabo. Toda subida carece de uma súplica e faz recordar orações mais ditas pelas avós. Toda descida, um momentâneo alívio, falsa ilusão que o sofrimento acabou. Se não bastasse, as ruas inda são tortas só pra lembrarmos-nos da certeza de Deus. E as pedras que escorregam, as que ferem os pés, as pedras de dor, ora são de Deus, ora são do Diabo. Por estas mesmas ladeiras, subiram inconfidentes, subiram escravos mineiros e escravos de ganho, subiram damas da corte, subiram homens valentes, subiram padeiros, subiram atores e todos eles, mais alguns passos à frente, novamente desceram. Ora próximo de Deus, ora próximo do Diabo.

Antunes
Rio de Janeiro, 21 de setembro de 2010

Além dos bens e do mal

Há bens que vêm pra mal. E o carro é um dos bens mais consumidos pelos brasileiros que mais tem feito mal a estes brasileiros. É óbvio, leitor, que prefiro andar de carro que de ônibus, mas são ônibus, trens e metrô que fazem parte do meu cotidiano. É impossível andar de carro pelo Rio de Janeiro no horário do rush. E quando não é o estrago provocado pelos engarrafamentos, o carro maltrata com a fumaça, com o barulho e com a poluição visual. Uma das frases que minha esposa mais ouviu de minha boca durante nossa estada em Ouro Preto foi: “Não admito estes carros no centro histórico!” Acabara de vir de Paraty onde são proibidos carros no centro e, Ouro Preto, não segue esta mesma boa prática, diga-se de passagem, nenhuma cidade histórica de MG segue esta ótima prática. Os carros ficam ali, largados a enfear o ambiente, a estragar as fotos, a impedir as caminhadas. Sorte foi a de Tiradentes que morreu antes de ver um Corola ao lado dos sobrados; sorte foi a de Tomás Gonzaga que não pôde escrever que Marília estava à janela de seu Novo Uno; sorte foi a de Silvério dos Reis que não traiu Joaquim José em troca de um Astra. Azar foi o meu que tive que dividir minhas fotos com este monte de sucata.

Antunes
Rio de Janeiro, 20 de setembro de 2010

E quando eu ia tirar aquela bela foto, eis que surge um maldito carro

O cemitério parece mais um estacionamento

E qualquer foto fica uma porcaria com esse monte de carros

O dia em que tiradentes perdeu a cabeça

Não sei porque este tipo de culto, sei que há. Bem no centro d’Ouro Preto está a estátua do Joaquim José com a inscrição: “Aqui ficou exposta a cabeça de Tiradentes.” O leitor deve saber que após ser enforcado, o Joaquim José foi esquartejado e sua cabeça se destinou ao centro d’Ouro Preto. Fico a imaginar como deve ter sido aquele fatídico dia em que algozes vestidos de negro pararam a picotar o martir e a ouvir dos governantes: a cabeça ficará aqui na praça, a perna irá ali praquela esquina, o braço colocar-se-á acolá. Imagino, senhor leitor, a fedentina de carniça espalhada pela cidade, as moscas e a urubuzada inda mais famitas que os moradores. Imagino, ainda, senhora leitora, a pobre e púdica dona Maria, todo dia a ir reclamar com as autoridades, pois, por morar em residência pouco nobre, penduraram bem em frente a sua casa, logo a cabeça menos nobre do Joaquim José. Todo dia ao abrir a porta de casa, via pendento ao alto dum poste e a apontar para a sua residência, aquela cabeça de pau.

Sentado ao Palácio da Quinta da Boa Vista, Rio de Janeiro, 18 de setembro de 2010

O monumento a Tiradentes bem no Centro de Ouro Preto

Está escrito: "Aqui em poste de ignominia esteve exposta sua cabeça"

Tiradentes num céu azul

Só assim para erguerem monumento a um dentista.

O LAGARTO QUE SORRI

Há vantagens, claro. Quem dera fosse por elas que o lagarto sorrisse. Conseguimos um albergue para hospedar-nos por cem mangos e que fica a menos de dez minutos a pé do Centro de Ouro Preto. Muita felicidade, leitor, pois o segundo lugar mais barato para se ficar custava praticamente o dobro. Anote aí a dica se quer pagar barato: Albergue Sorriso do Lagarto. Entretanto, ao chegarmos, começaram as problemáticas da esmola em demasia: uma bagunça. O quarto em que nos depositaram parecia vitimado por um furacão: umas cinco camas beliches reviradas, colchões jogados, lençóis desarrumados… e, no meio delas, uma cama de casal pra mim e pra senhora minha esposa. Claro que, ficamos nós apenas, as camas de beliche eram tão-somente decoração e por sorte não inventaram de hospedar ninguém ali conosco. O banheiro é daqueles que se pode tomar banho sentado sobre o vaso sanitário, boxe é alto luxo. Foi assim, leitor, que descobri porque o lagarto sorri. Sorri debochadamente da nossa cara, sorri com o cantinho da boca, sorri porque é um sacana. Maldito lagarto que sorri!

Antunes
Belo Horizonte, 17 de setembro de 2010

Nosso debochado amiguinho...

E no nosso quarto, passara um furacão?

Era por isto que o maldito sorria?

FESTIVAIS DE INVERNO

Minas Gerais pode se gabar de conseguir fazer realmente um festival de inverno. Suas noites são verdadeiramente frias e o público comparece. Estive no meio deste público e descobri que é um período difícil de conseguir hospedagens e bons preços. Os hotéis aproveitam para cobrar mais caro pelos quartos, as pousadas ficam lotadas e os albergues são de atendimento duvidoso. Entretanto, o clima de festividade compensa as dificuldades iniciais: contadores de histórias, músicos, escritores, atores de teatro, espalham-se pelas Cidades Históricas.

Passei por cinco cidades, todas elas com eventos de inverno: Ouro Preto, Mariana, Congonhas, São João Del Rei e Tiradentes. Com exceção de Congonhas que possui eventos menores e fica um tanto quanto isolada, as outras se dividem em duplas para comemorar: Ouro Preto tem seu festival de inverno continuado por Mariana; São João Del Rei faz parceria com Tiradentes. Mas, dentre todas estas Cidades, a melhor para se viver o festival de inverno é São João Del Rei: são artistas de mais renome, eventos mais organizados, clima mais aconchegante. É bom sentar à praça pública e ouvir histórias da boca dum artista. Ouro Preto também possui um importante festival, mas repleto de filas, de disputas por senhas, de distâncias cansativas a percorrer entre um evento e outro. Entre o subir e descer de ladeira de Ouro Preto e o sentar-se na Praça de São João Del Rei, fico com a qualidade e simplicidade do segundo.

Antunes
Belo Horizonte, 17 de setembro de 2010

Show de palhaços em Ouro Preto

Contação de Histórias em São João Del Rei

Marcelino Freire lê poesias em São João Del Rei

Toda viagem é a continuação doutra

Nenhuma viagem é um começo, leitor. Toda viagem é a continuação doutra. Descobri isto ao visitar as Cidades Históricas de Minas Gerais, após ter visitado Paraty. Paraty é por onde escoou nosso ouro, nem tão nosso assim, que vinha lá das Minas Gerais. Fiz seguidamente estas viagens e, infantilmente, descobri o mote deste texto: Toda viagem é a continuação doutra. Afinal, os olhos que olham o novo lugar já não são os mesmos depois de cada desplaçamento. O Rio de Janeiro muda depois que volto pra ele e só consegui viajar na minha cidade após ter viajado por outras.

Cada ladeira de Ouro Preto foi comparada aos degraus do meu prédio. Mariana viu seus trilhos olhados por quem está acostumado aos trilhos da Central do Brasil. Tiradentes teve sua formosura ladeada a de Paraty, São João Del Rei era a pracinha de livros que li na infância. Toda observação é uma comparação e, quando nascemos, comparamos o mundo cá fora com o mundo dentro de nossa mãe. Viajar é fazer com que todo mundo novo seja mundo conhecido, viajar é fazer com que todo mundo seja a barriga de nossa mãe.

Antunes
Rio de Janeiro, 14 de setembro de 2010

Recomeçamos a viajar por Ouro Preto, Nôla chegando

Primeiros passos em Ouro Preto