Arquivo da tag: Pássaros

Desejos incontidos no Jardim Botânico

Pular a catraca do Jardim Botânico, sem pagar cinco Reais.

Driblar, correndo, cada Palmeira Imperial até torná-las tão plebéias dormideiras.

Pescar no lago, com vara de bambu e fio dental, um peixe grande fresquinho e comer como se fosse sashimi.

Saltar sobre uma vitória régia, depois em outra vitória régia, depois em outra vitória régia. Até a tarde cair antes de mim.

Beber água na fonte, fazer gargarejo com água da fonte, cuspir água da fonte como se fosse um chafariz.

Olhar o cu dos passarinhos sob as penas que cobrem o cu dos passarinhos.

Roubar a comida dos esquilos e oferecê-las aos lagartos pra engordá-los e depois comer carne de lagarto gordo.

Furar meus olhos pra aproveitar ao máximo o Jardim Sensorial.

Abraçar uma árvore e pedir pra que ela me abrace só pra zombar da sem-bracice dela.

Brincar de bem-me-quer-mal-me-quer no orquidário até a infinitude dos dias.

Brincar de Tarzan no topo das árvores, rolar na grama, lutar com jacarés imaginários no lago.

Dormir, cansado, sob a sombra duma árvore desfolhada, bem de noite.

Antunes
Rio de Janeiro, 21 de abril de 2011

Entre as Palmeiras Imperiais (2011)

Chafariz (2011)

Estufa das Plantas Insetívoras (2011)

Plantas Insetívoras (2011)

Tico sem Teco. Bochecha sem Claudinho. (2011)

FormiguinhaZ (2011)

Cuspe potável(2011)

Verde Palmeiras (2011)

Passeio de casais no Jardim Botânico (2005)

Musas do Jardim Botânico (2005)

Bebendo água na fonte, tomando uma cusparada da fonte (2005)

Fazendo barra no bambu em pleno Jardim Botânico (2005)

Um casal igual de bolo no Jardim Botânico (se liga no detalhe do pezinho) - 2005

Noivas e debutantes fazem do Jardim Botânico um manjado cenário (2005)

Pescando no lago com bambu e fio dental (2005)

Coração esculpido (2005)

Meu eterno medo de passarelas e pontes (2005)

Bailando com estátua (2005)

Orquidário (2005)

O tradicional e ridículo abraço na árvore (2005)

Pouso

Prefiro a palavra do título à palavra pousada. Gosto de ficar naqueles lugares que são aconchegantes já pelo nome: “pouso familiar”.  Me lembra os pássaros. Pouso é o momento de descanso da ave, é quando ela aceita que o vôo não é soberano. É quando a ave se humaniza. Nós humanos, que invejamos eternamente os pássaros, descobrimos a ciência de voar (inda que imperfeita) e também inventamos que precisamos do pouso. O pouso aproxima a ave do humano e o humano da ave.  E não será o descanso que aproximará um dia todas as criaturas? Como o cansaço que aproximou a pousada em que fiquei de um pouso. Pousei em São João Del Rei antes mesmo de conhecê-la.

Antunes
Rio de Janeiro, 14 de dezembro

Recanto de Minas - A pousada onde pousamos

A sala da pousada

O quarto da pousada