Arquivo da tag: Quarto

Belo Horizonte por trás dos muros

Voltei a BH. Viagem bem distinta da outra, embora se repita o local de trabalho e de hospedagem.  Outrora, a cidade foi-me um pátio aberto a descobertas, agora é uma prisão de luxo. Vejo o sol nascer, cotidianamente, por trás das grades. O quarto do hotel é gélido, a sala de aula também, embora seja o calor que reine do lado de fora. Vivo no império do ar-condicionado e eu não sei se tenho prazer em ser seu súdito. Passo, todo dia, pela Praça da Estação, mas não me toca, sinto-me no quarto, encarcerado pelo laptop, pelo trabalho, pelo cansaço. BH, parece que já te conheci e não quero mais conhecer-te. Tuas ruas me chamam? Se chamam, não ouço. BH, deixa-me aqui no meu quarto escuro, neste frio de cemitério, pois esta noite eu morri.

Antunes
Belo Horizonte, 24 de novembro de 2009

BH por entre a janela

O frio quarto do hotel

O Hotel de Parauapebas

Há poucos dias atrás, eu nem sabia que existia um lugar com o nome de Parauapebas, agora, eu já sei até que Parauapebas tem um hotel: chama-se Hotel Carajás. É nele que estou hospedado neste momento. De trás do hotel, próximo à piscina, pode-se ver um rio. Quando mergulhamos nas águas pscinares imaginamos que estamos mergulhando em águas fluviais, se fecharmos bem os olhos acreditamos até que estamos dentro do rio. Bom, isso é o que eu acho, pois até agora não me arrisquei a entrar na piscina, muito menos no rio. Como a floresta fica bem atrás, é normal que sejamos visitados o tempo inteiro por mariposas, borboletas e uns insetos que eu nunca tinha visto na minha vida. Outro dia, durante o café, um dos hóspedes do hotel, sem saber, desfilava prum lado e pr’outro com uma borboleta presa na camisa, tomou o café inteiro na companhia dela, sem saber, uma espécie de companhia desacompanhada.

Quando cheguei por aqui estava tão cansado da viagem, que um dos objetos que primeiro tive contato foi com a cama, dormi às cinco e pouco da tarde para acordar às cinco e pouco da manhã. O quarto é simples, mas prático. A internet funciona bem (funcionava, quando fui postar esta mensagem ela parou e ficou mais de um dia sem funcionar), o que é fundamental nestas viagens. Passa-se uma sensação de um certo enclausuramento, pois a única janela do quarto dá para o corredor, ou seja, abri-la significa viver um big brother nortista, passar o dia inteiro sendo observado em seu quarto por pessoas que transitam pelo hotel. Um grande benefício comum nos hotéis: há chuveiro quente. Um grande prejuízo típico deste: ele não esquenta direito.

Voltando ao local de café da manhã, foi ali que, sem ter jantado no dia anterior, fiz minha primeira refeição em Parauapebas, anote para não perder o rumo: tapioca, panqueca, pizza, risole, coxinha, enroladinho de salsicha, empada, pastel de forno, bolo e uma vitamina de cajá com leite. Isso, vitamina de cajá… e todo dia é assim: pastel, bolo doce, bolo salgado, pudim, pirão e vitamina de tudo: leite com murici, cajá, abacate e manga! Sim, leite com manga é prática no hotel e é bom, garanto. As comidas ficam postas desde as seis da manhã e ficam ali, às moscas, literalmente e não só: ficam às mariposas e às formigas também, que parecem apreciar muito aquela comidinha puxada ao sal e gelada, tudo aqui é gelado, talvez para compensar o calor. É gelado, mas é bom.

No hall do hotel encontram-se propagandas de restaurantes e vendas locais, o jornal local O GUARDIÃO, que sai quinzenalmente. Há também, ali, uma fundamental porta de vidro, o ponto que mais me interessa no hotel. Ela é que nos apresenta o mundo misterioso que é Parauapebas, que nos deixa ir por suas ruas estreitas e nos liberta para a curiosidade. Ela, também, é que nos recebe na noite, cansados do trabalho para cair na obviedade do quarto e descansar do novo. É a porta o que mais me interessa: leva-me ao mistério e me protege dele.

Antunes, Carajás/Parauapebas, 25 e 26 de setembro de 2009

O Hotel Carajás em Parauapebas

O Hotel Carajás em Parauapebas

Uma barata no meio da floresta e no meio do meu quarto.

Uma barata no meio da floresta e no meio do meu quarto.

A ducha!

A ducha!

As janelas que dão para o corredor.

As janelas que dão para o corredor.

Quarto de Sade ou quarto de Alice?

Cheguei ao hotel de Belém já daria meia noite e não começo, assim, uma história de terror, embora pudesse ser. Senhor, informamos que os quartos executivos estão todos ocupados, vamos transferi-lo para um quarto de melhor qualidade. Pensei cá comigo: dei-me bem, porém até agora me pergunto: onde fui parar, num quarto de Sade ou num quarto de Alice?

O número era 503 que, como é de se imaginar, tinha, ao lado, o 502. Abri a porta e deparei-me com duas camas de casal. Mas, porque motivos tão nobres me recepcionariam assim? Afinal, sou um e magro, uma cama de solteiro, quando não um sofá, já me bastaria. Pensei que o quarto deveria, em outras ocasiões, ser palco de noites bacantes, com orgias dionisíacas regadas a muito vinho, quando não champanhe . Pensei melhor, talvez fossem, ali, necessárias para atender clientes com grande índice de obesidade que juntariam as camas para se abrigar e enfrentar a lei da gravidade sobre oito pés.  Percebi que no quarto estavam quatorze travesseiros e imaginei casais desnudos guerreando-se com aqueles objetos de pena, a ver quem ganharia na batalha algum amor. Porém, repensei e reimaginei, que talvez os travesseiros fossem para fazer companhia àqueles que chegam solitários, como eu, talvez apenas cumprissem a missão de ocupar o tanto de cama que não poderia simplesmente ficar vazio. À frente d’uma das camas, entretanto, novo mistério e o maior deles: a porta verde. No meio do quarto, como poesia, sem objetivo algum encontrei uma porta. Mas, logo vi que não era tão poética e que deveria ter suas finalidades. Abri-a e encontrei outra porta. Uma porta que quando se abre dá pra outra. Então tive a certeza que era para integrar o quarto com o 502 e, assim, não só compor um quarto de Calígula, mas toda a Roma, toda a Grécia juntas a unir infinitos casais em festas que não acreditamos que realmente existam. Porém, logo desfiz minhas certezas, imaginei que eram portas como as de Alice que sempre levavam a um novo caminho, a uma nova porta e que tudo aquilo, quem sabe, fosse uma grande metáfora da vida que o arquiteto que projetou o hotel quis esculpir.  Fui até o banheiro para lavar o rosto e despertar de tantas ambigüidades e deparei-me com um chuveiro que caía dentro de uma banheira. Seria um plano devasso para obrigar que todos se banhassem naquelas águas de Afrodite, mesmo os avessos à banheira, ou seria apenas um despropósito infantil para que todos levassem seus patinhos para o chuveiro e passassem ali, dias e noites, a brincar no sem sentido das horas?

Não me restou tempo para descobrir se estive em um quarto de Sade ou em um quarto de Alice, passei ali apenas uma breve noite em que dormi apenas quatro horas. Quiçá eu tenha estado nos dois, se é que só há essas duas possibilidades.

Antunes – 20 de outubro de 2009 – Parauapebas

As duas camas de casal

As duas camas de casal

Uma porta dentro da porta

Uma porta dentro da porta

Só é possível tomar banho de banheira.

Só é possível tomar banho de banheira.