Arquivo da tag: Sol

OS ANDES

Finalmente os Andes, gigantescos Andes. Depois de passar pelos vales bolivianos a recompensa: olhar a Cordilheira de frente. O Sol cansado do verde, qual artista, contribui com suas tintas laranja. O Frio, cansado do verde, clareia os picos mais altos. Porém, ainda assim há verde, pois os Andes são intermináveis, guarda espaço para todas as cores. Da janela do ônibus vi os Andes pela primeira vez e jamais vi a última, pois os Andes são tão imensos, tão infinitos, que me perseguem desde que os encontrei.

Antunes
Rio de Janeiro, 7 de julho de 2002

Com o Sol, surge a primeira ponta dos Andes

O sol cansado do verde, qual artista, contribui com suas tintas laranja.

O frio, cansado do verde, clareia os picos mais altos.

Illimani, área gelada dos Andes

Os Andes nos seguem por toda a estrada

Os Andes Infinitos

Floralis

Dizem que toda cidade é anterior a ela: pois ela jovem e moderna e os que a envolvem antigos e cinzas. Prefiro crer que ela é anterior a cidade e toda cidade nasceu ao seu redor, unicamente para lhe espreitar. Não existiria Buenos Aires sem sua beleza imponente de flor de metal. Tudo envelheceu antes, pois não soube se abrir ao sol e se fechar à chuva, porque estáticos ficaram no tempo. A flor, nascida de um grão de metal, cresceu frondosa, a receber visitas de mulheres que suspiram e respiram seus ares de eternidade.

Flor de metal, não quero te arrancar para que enfeites os cabelos de meu amor. Quero te fixar ainda mais sobre as águas, alimentar as tuas raízes de fios de aço para que perdures.

E colocarei minha vida sobre ti para que ambas se unam e, juntas, sejam paisagem.

Antunes

Rio de Janeiro, 11 de janeiro de 2010

A Floralis Genérica

Uma flor de metal e uma beija-flor humana

A Santa Missa

Buscava aventurar-me por Carajás. O dia estava úmido e resistia à troca de passos, criando barreiras de microgotas. Tomei uma van e atravessei a Serra dos Carajás. As gotas de chuva cresciam e pesavam, as árvores pareciam se agregar para segurar a chuva, a vila queria remontar floresta. Andei desrumado a procurar abrigo que não fosse árvore, vi uma igrejinha católica azul, me escondi ali no momento exato em que desabou o céu. Por dentro era colorida, lembrava-me estas igrejas campesinas, tinha um ar de madeira, um povo meio índio, meio português. A missa desenrolou-se melhor que tomar chuva, o padre (tenho minhas dúvidas, acho que quem realizou a missa foi um diácono) lembrou-me Nero: era um sujeito baixinho, gordinho de cabelo encrespado, faltavam-lhe apenas os louros atrás da orelha. Fiquei imaginando-o a tocar harpa, sentado na mesa eucarística enquanto a igreja pegava fogo. Um diácono que taca fogo na própria igreja… logo o diácono, o zelador, quiçá isso fosse pior que Nero. A névoa era tão intensa, tão intensa, que cheguei a pensar que realmente a igreja se consumia em fumaça, não dava pra ver nada do lado de fora, as portas batiam com o vento. A chuva foi cessando junto com a missa do diácono Nero e as portas se abriram para exibir um sol teimoso que despontava, saí tendo evitado a maldita chuva: santa missa!

A igreja por fora depois da tormenta...

A igreja por fora depois da tormenta...

 

O diácono Nero no interior da igreja

O diácono Nero no interior da igreja