Arquivo da tag: Vida

Floralis

Dizem que toda cidade é anterior a ela: pois ela jovem e moderna e os que a envolvem antigos e cinzas. Prefiro crer que ela é anterior a cidade e toda cidade nasceu ao seu redor, unicamente para lhe espreitar. Não existiria Buenos Aires sem sua beleza imponente de flor de metal. Tudo envelheceu antes, pois não soube se abrir ao sol e se fechar à chuva, porque estáticos ficaram no tempo. A flor, nascida de um grão de metal, cresceu frondosa, a receber visitas de mulheres que suspiram e respiram seus ares de eternidade.

Flor de metal, não quero te arrancar para que enfeites os cabelos de meu amor. Quero te fixar ainda mais sobre as águas, alimentar as tuas raízes de fios de aço para que perdures.

E colocarei minha vida sobre ti para que ambas se unam e, juntas, sejam paisagem.

Antunes

Rio de Janeiro, 11 de janeiro de 2010

A Floralis Genérica

Uma flor de metal e uma beija-flor humana

Zoológico ou floresta?

Há que se tomar uma van e segue-se por uma estrada cercada de floresta. Parauapebas e Carajás são ligadas por um percurso verde que dura meia hora. Impossível ir a pé, não há calçada. Fui à busca de um dos únicos pontos de lazer da região: o zoológico. Curioso é um zoológico no meio da floresta: passa-nos a impressão que nós é que estamos a ser espreitados pelos bichos. O espaço é imenso e há que dividi-lo com formigas, borboletas, muitos mosquitos e cigarras. As cigarras por aqui cantam de dia, de noite, de madrugada, não há hora pra música, toda hora é música. E, toda hora, a interrogação é “quem olha?”, nós a eles ou ele a nós? E por que a estranheza? Não estamos nós a ser vigiados todo o tempo? Não estamos a ter nossa vida vasculhada, invadida, vista? E não buscamos ser vistos? Vivemos como animais num zoológico de um Deus ou de um ser que se pretende Deus. Vivemos num zoológico, assim como eles, um zoológico que já não sabemos mais se é zoológico ou se é floresta.

Antunes – Canaã dos Carajás, 28 de setembro de 2009

A anta está solta?

A anta está solta?

Porcarias

Porcarias

Macacadas

Macacadas

Em Carajás nem a fria madrugada faz a cigarra parar de cantar

Em Carajás, nem a fria madrugada faz a cigarra parar de cantar